Justiça Cidadã forma 84 pessoas na 17ª Turma Especializada
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 27/06/2022 19:50

Oitenta e quatro lideranças de diversas comunidades participaram da aula de encerramento da 17ª Turma Especializada do Programa Justiça Cidadã nesta segunda-feira (27/06),  no Auditório Desembargador Penalva Santos, na Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (Emerj). Na oportunidade, a advogada Amanda de Lima Vieira ministrou palestra sobre “Conciliação, Mediação e Arbitragem”.  

A servidora Cláudia Nunes representou a diretora do Departamento de Ações Pró-Sustentabilidade (Deape), Rosiléa Di Masi Palheiro, no evento. Ela parabenizou os participantes e agradeceu à equipe do departamento pelo trabalho.  

“Para que o programa aconteça, é necessária uma operacionalização comandada pelo Deape. Gostaria de agradecer a todos que formam essa equipe maravilhosa do Deape. E quanto à vocês, participantes, parabéns por terem concluído o curso. Tenho certeza que adquiriram conhecimento muito útil para o dia a dia”, disse.  

Ao final do evento, foram distribuídos certificados para os participantes. O curso, que teve início no dia 6 de junho, trabalhou o tema “Técnicas de resolução de conflito”.  Foram oferecidas quatro palestras semanais durante o período, de cerca de três horas de duração.   

 

                             A mediadora Joana Raphael exibe o certificado que recebeu após concluir o curso do Justiça Cidadã

“O curso foi muito bom, acessível e vai ajudar muito nas minhas atividades”, disse Joana Raphael, que trabalha com mediação comunitária. 

Reinaldo da Cruz, morador do Morro Dona Marta, em Botafogo, Zona Sul do Rio, disse que o conteúdo aprendido será utilizado na mediação de conflitos entre os vizinhos.
“Estou mais apto a orientar os moradores sobre desentendimentos entre vizinhos, sobre questões e conflitos do dia a dia da comunidade”, reconheceu.


Sobre o programa Justiça Cidadã  
O objetivo do programa é capacitar agentes multiplicadores com noções sobre Direito, Justiça e cidadania, além de levar conhecimento de métodos alternativos para a solução de conflitos que dispensam intervenção judicial. A coordenadora do Justiça Cidadã é a desembargadora Cristina Gaulia.   

MG/FS