Ministro Jorge Mussi fala sobre “O Judiciário no novo milênio” no TJRJ
Notícia publicada por Assessoria de Imprensa em 06/04/2022 09:02

Imagem do auditório José Navega Cretton com plateia de costas e ao fundo mesa composta, da esquerda para direita, por: Anderson de Paiva Gabriel, Ricardo Rodrigues Cardozo; Henrique Carlos de Andrade Figueira; Eunice Bitencourt Haddad; Jorge Mussi; e Marcus Henrique Pinto Basílio

Da esquerda para direita: juiz auxiliar da Presidência do CNJ, Anderson de Paiva Gabriel; corregedor-geral da Justiça, desembargador Ricardo Rodrigues Cardozo; Presidente do TJRJ, desembargador Henrique Carlos de Andrade Figueira; Presidente da AMAERJ, juíza Eunice Bitencourt Haddad; vice-presidente do STJ, Ministro Jorge Mussi; e 2º vice-presidente do TJRJ, desembargador Marcus Henrique Pinto Basílio

 

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), desembargador Henrique Carlos de Andrade Figueira, recebeu nesta terça-feira (5/4), o vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Jorge Mussi, no Auditório José Navega Cretton, em palestra conduzida pela presidente da Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro (Amaerj), Eunice Bitencort Haddad. Durante o encontro, o ministro abordou o tema “O Judiciário no novo milênio”. 

Em sua palestra, o vice-presidente do STJ falou sobre os desafios do Poder Judiciário de encontrar medidas para que a prestação jurisdicional represente não só a solução de litígio, mas um avanço social para o futuro. Ele explicou que o Brasil tem passado por diversas transformações e enfatizou que o Judiciário tem papel fundamental para conciliar a quantidade de processo com a qualidade da justiça. “Com a pandemia, o mundo inteiro se viu obrigado a adotar mudança de hábitos, de costumes e de modo de trabalho. Também teve que se ajustar através de práticas e ao mesmo tempo preservar a vida não só dos magistrados, servidores, mas da sociedade. 

Desde então, temos sido expectadores ativos de uma mudança histórica e sem precedentes. O modelo da atividade jurisdicional passou por reinvenção e a tecnologia teve papel de importância nesse enredo, promovendo-se audiências e reuniões por videoconferência em tempo real. É evidente que o Poder Judiciário se esforça para estar em constante evolução. Somos combustível para o avanço evolutivo. Compartilho com todos a ideia de que o Brasil precisa de uma Justiça eficiente e acessível, que prestigie os princípios constitucionais. Somos todos tripulantes do mesmo barco e caminhantes de uma mesma ação”, concluiu. 

Além dos presidentes do TJRJ e da Amaerj, compuseram a mesa do evento o corregedor-geral da Justiça do Rio de Janeiro, desembargador Ricardo Cardozo; o 2º vice-presidente do TJRJ, desembargador Marcus Henrique Pinto Basílio; e o juiz auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Anderson Paiva.  

 SV/MB

Fotos: Brunno Dantas/TJRJ